Artigos

Respiração – um inevitável movimento de louvor à vida

Nossa respiração

Inspirar. Expirar. Números.

Nem percebemos, nem damos a menor atenção ao fato de que respiramos.

Inspiramos o ar com oxigênio e outros tantos elementos, inclusive poluentes e tóxicos.

Nosso sistema respiratório se encarrega de filtar um monte desses poluentes e toxidades. (veja nosso artigo sobre Alimentos, tim tim pot tim tim – parte I, no site meueeu).

Expiramos os gases, o carbônico de forma predominante, colocando pra fora o que o corpo não precisa mais ou o que é incômodo para ele.

Às vezes espirramos, o que também é um ato de colocar pra fora o indesajado. Nem sempre funciona. Surgem alergias e outras complicações, etc...

Alguém aí, já parou pra escutar o som desse movimento de inspirar e expirar?

Esse movimento é executado entre 8 e 14 mil vezes por dia, por cada um de nós.

Conforme colocamos na página “introdutória” deste site, esse som pode ser o som do “nome de Deus”, ouvido por Moisés na cena da sarça ardente, quando este, Moisés fora comissionado a liderar a libertação do povo judeu da escravidão egípcia.

Relacionando o lé com o cré, cada um de nós pronuncia esse “nome de Deus” entre 8 e 14 mil vezes por dia, entre 240 e 420 mil vezes por mês, entre quase 3 a 5,1 milhões de vezes por ano, …

Considerando uma população mundial na ordem de 7 bilhões de pessoas, teríamos entre 56 e 98 trilhões de vezes, por dia, esse pronunciar.

Os números são impressionantes.

Respiração e Espírito

Também mencionamos a relação entre a palavra espírito, ou spiritus, no latim, e a respiração.

Num certo sentido nosso espírito é a nossa respiração e a respiração é a evidência da vida.

Ninguém vive sem respirar!

Parou de respirar? Morre!

Morreu? Parou de respirar!

Talvez, você leitor, nunca tenha presenciado uma cena de morte, real, não num filme qualquer. Na real, a morte vem com o fim da respiração. É o fim da vida.

Para quem acredita que a vida não fica só na existência do corpo.

Para quem acredita que temos um espírito.

A representação desse espírito, na prática, é a respiração do corpo. Enquanto o corpo respira, o espírito está presente nesse corpo.

A presença do espírito é sinônimo da existência da vida.

Vida

Numa lógica simplista, respiramos, então vivemos.

Respiramos?

Louvamos a Vida.

Lembrando que aqui não estamos falando nem queremos falar de religião, portanto “Louvor” é por definição uma celebração ou manifestação honrosa, uma homenagem.

Então cada vez que respiramos, celebramos ou manifestamos de forma honrosa a vida!

Logo, fazemos isso aquele montão de vezes que calculamos acima.

Agora, se como se diz, o corpo vira pó, e o espírito volta a Deus, que o deu, esse espírito pertence a Deus.

Novamente aqui não estamos falando do Deus das religiões. Esses estão muito longe do Deus verdadeiro.

Se o espírito pertence a Deus, é num certo sentido o próprio Deus, pois Deus é espírito. Se a respiração é o próprio espírito, ou o nome desse espírito, ou o nome de Deus, ou a própria vida, enbtão no final com a respiração, louvamos ao próprio Deus.

E ainda mais, não é escolha nossa.

Se você não quiser respirar, louvar à vida, louvar a Deus, você morre. Simples assim!

É um movimento inevitável.

De forma inevitável, celebramos honrosamente, querendo ou não, entre 56 e 98 trilhões de vezes ao dia o nome de Deus!

Você pode encarar isso de forma positiva ou negativa. É sua escolha. Não é sua escolha respirar! É sua escolha como encarar.

A negativa? Ferrou! Não acredito em Deus, essa ideia é absurda... etc... Mas amigo, não pare de respirar.

A positiva? Incrível! Muita coisa faz muito sentido.

Vamos deixar você pensando no assunto até a próxima edição desta série:

“Respiração e Sandálias nos pés”.

Cadastre-se e seja informado de primeira quando isso acontecer!

Grandes “INSPIRAÇÕES” e “EXPIRAÇÕES” pra você. (um bom tema pra outra série.....).