marcusve/ dezembro 26, 2018/ O que é a Bíblia/ 0 comments

O que é a bíblia? (por Rob Bell)* – Parte 24

Porque essa biblioteca – parte B.

clique aqui para começar com a parte 1

 

Essa é a questão, não é? Por que não outros livros, outras bibliotecas? Por que este? Por que a Bíblia?

Boas perguntas.

Por que essa biblioteca? Por nossa causa.

Na Bíblia, o que você encontra muitas e muitas vezes é a honestidade brutal sobre a nossa condição humana. Nós mentimos, enganamos, roubamos, assistimos a programas sobre o Kardashians**, temos a propensão enorme para fazer uma confusão com as coisas. Em nenhum lugar na Bíblia você encontra esta realidade encoberta, evitada, negada ou ignorada. De todos nós temos ficado aquém para o coração é enganoso para voces ainda não entendem? (a propósito, a frase fantástica de Jesus) o que você encontra de novo, e de novo é a verdade nua e crua sobre os nossos pecados, lutas, fraquezas, dureza de coração, mente pequena e em geral lenta-para-perceber. ***

Mas o que você também encontra, às vezes exatamente no mesmo lugar, e às vezes na mesma frase, são afirmações deslumbrantes da nossa grandeza, importância, potencial e promessa. Às pessoas foi dito que elas liderariam nações, levariam boas notícias sobre a reconciliação de todas as coisas aos confins da terra, que estaríamos coroados de glória e honra, e que faríamos coisas maiores do que Jesus fez (Ele disse isso… a sério).

Somos um coquetel quixotesco, uma mistura estranha, uma fusão ímpar de pele e ossos, espírito e alma. Num minuto estamos ouvindo sobre viagens reais ao espaço para pessoas que não são astronautas, em seguida, estamos ouvindo sobre um homem em Ohio que manteve várias mulheres como reféns em sua casa por uma década.

São desconcertantes os altos e baixos de que somos capazes – para não mencionar frustrantes, mistificadores, inspiradores, enlouquecedores, e em algumas vezes esmagadoramente bonitos.

Por que essa biblioteca? Por causa do espectro completo.

O que você encontra na Bíblia, é o abraço de todo o espectro da experiência humana de dúvida, raiva, alegria, vingança, desespero, fome, paz, à confusão, solidariedade, admiração e morte e tudo mais. Se eu fosse te perguntar sobre os dois ou três momentos mais significativos da sua vida, momentos em que a trajetória de sua vida mudou, momentos em que seu caráter foi formado e seu coração formatado de novas maneiras, você me diria sobre o triunfo, a vitória, o vencer ou você me contaria histórias sobre dor, agonia e sofrimento? Quando eu fiz esse tipo de pergunta às pessoas, elas sempre contaram histórias sobre a dor. Elas dizem coisas como eu não desejo isso para o meu pior inimigo, ou eu não quero passar por isso de novo ou que foi a última coisa que eu jamais pensei que iria acontecer comigo e, em seguida, elas acrescentam Mas algo bonito, algo que eu nunca teria planejado ou esperado, veio de fora …

Há livros como o de Jó na Bíblia que lutam com esse espectro completo com detalhes que mexem com nossas entranhas, livros como o de Lamentações que quase arrancam seu coração, momentos nos evangelhos quando a família de Jesus acha que ele esta fora de si e seus seguidores estão abandonando-o e o homem mais poderoso da terra o quer morto e você fica convencido que está tudo caindo aos pedaços e nada de bom poderia vir disso.

Por que essa biblioteca? Porque o fraco é o novo forte.

Vivemos em um mundo alfa, aquele onde o forte, popular, inteligente e rápido vence, lembrando a todos nós, no processo, quem está no topo e quem não está. Você compete, você flexiona seus músculos, você dá seus socos, você mostra a todos que não se deve mexer com você porque você é magro ou forte ou legal o suficiente para pertencer a esse mundo. Esta história nos convida a ver as coisas de uma maneira completamente diferente – esta história é sobre o Deus que vem ao nosso encontro, quando tudo entrou em colapso e em pedaços aos nossos pés. Esta história é sobre o Cristo que nos encontra em nosso fracasso, fraqueza, impotência, solidão e sensação assombrosa que não somos bons o suficiente. Este Deus nos encontra em meio à tempestade, à falência, no hospital, ao lado da estrada após o acidente, este Deus mostra-se no mínimo numa dessas situações.

Este Deus, os escritores desta história continuam insistindo, é encontrado em tudo isso.

Esta não é uma história sobre ideias abstratas ou noções efêmeras de temporalidade – esta é uma história sobre pessoas reais obtendo ajuda real, encontrando paz real e sendo curados de verdadeira dor e sofrimento em um mundo real. O Êxodo é uma história sobre ser resgatado da uma opressão real. Jesus curou pessoas reais. Essas cartas no Novo Testamento são sobre pessoas reais encontrando significado, propósito e alegria. Esta história está, em toda a sua descolada humanidade imperfeita, afirmando que Deus não nos abandonou, mas está presente fazendo algo no tempo e no espaço real, do qual podemos ser uma parte. Nesta história, confissão e arrependimento, honestidade e humildade desencadeiam ondas de graça que podem trazer transformação real.

Por que essa biblioteca? Por causa daqui.

De acordo com esses livros, a ação está aqui, neste mundo, neste planeta, nesta vida. Jesus ensinou seus discípulos a orar para que a vontade de Deus seja feita na terra como no céu. A história que é contada nesses livros é sobre esse mundo que está sendo renovado, restaurado, e reparado. É sobre o céu vindo à terra de tal forma que o céu e a terra tornem-se o mesmo lugar. Este não é um livro sobre fuga, evacuação, ou ir para outro lugar qualquer. É sobre o envolvimento com este mundo, porque é o único que temos, o único no qual Deus está interessado, é onde está a ação. Aqui é o lugar onde a história se desenrola, aqui é onde o errado torna-se certo, aqui é onde isso importa.

Por que este livro? Por causa do solo, do sol, suor, sexo, vinho, música, árvores, montanhas, arte, negócios, direito, medicina, educação, e passear com o seu cachorro à noite.

É sobre as atuais realidades materiais da vida de cada dia, e as insistentes reivindicações desses escritores de que a Bíblia tem profundidade, que toda a terra está cheia da glória de Deus, e é abençoada. Este livro é sobre o divino estar presente aqui na terra – em um templo, no corpo de um homem judeu do primeiro século, ou onde quer que dois ou três se reúnam, com você, enquanto você lava os pratos.

Por que essa biblioteca? Porque todas as coisas são suas.

Nesta história, o mundo inteiro é um templo, estamos todos vivendo na casa de Deus, e como Paulo escreveu em um ponto para os amigos em Corinto todas as coisas são suas. Um dos temas centrais desta biblioteca é que onde quer que você vá Deus está ali, presente nos lugares mais inesperados, nas mais estranhas pessoas e eventos. Assim, sempre que você encontrar algo de bom ou verdadeiro ou bonito, você afirma isso, você diz isso, você comemora isso. Melquisedeque aparece e ele é um sacerdote e é tudo de bom, Cyrus é chamado de Messias, Jesus diz que será mais fácil no grande dia para Sodoma e Gomorra do que para uma cidade cheia de um povo de Deus ortodoxo. Este livro não é nem remotamente ameaçado pela existência de outros livros e outras vozes, ele os agarra num abraço de urso e diz Você também? Incrível.

É ao mesmo tempo particular –

Abraão tem muitos filhos, esta tribo é para todas as outras tribos, o divino assume carne e sangue e se muda para a vizinhança, Jesus diz aos seus discípulos para começar aqui, em Jerusalém – mas, em seguida, ir para os confins da terra –

e implacavelmente universal. A reconciliação de todas as coisas, um novo céu e terra, o Deus que está acima de tudo e através de tudo e em tudo, um Deus que quer que todos sejam salvos de tudo o que eles precisam ser salvos…

Por que essa biblioteca? Porque a última palavra ainda não foi dita.

Nestas histórias, a última palavra nunca é falada. Ezequiel diz que Sodoma será restaurada, José diz a seus irmãos que o que eles tinham intentado para o mal Deus usou para o bem, Jesus grita na ausência de Deus, Por que me desamparaste?, e posteriormente ele insiste que mesmo naquele momento na cruz Deus estava fazendo algo. A última palavra sobre qualquer coisa ainda não foi falada.

Eu preciso ouvir isso.

Muitas vezes.

Se há algo que os escritores repetem incessantemente é que a sua perspectiva é pequena, limitada, e você está propenso a fazer todos os tipos de julgamentos sobre situações e eventos que estão longe de terminar.

Nesta história, Deus é uma dança trinitária de amor e generosidade, que sem parar nos rodeia, trazendo nova misericórdia, todas as manhãs, lembrando-nos que em nossa pequenez e perdição estamos redimidos e encontrados, insistindo que, quando você doa vida afora para a cura do mundo você vai buscá-la de volta de maneiras que você nunca imaginou.

A história soa verdadeira para mim,

mesmo com – ou devo dizer especialmente com – as partes difíceis.

Você está ofendido por essas partes violentas – mas não há nada disso em você? Você não odeia ninguém? Você não abriga pensamentos destrutivos sobre as pessoas que têm errado e te ofendido? Nós nos vemos como sofisticados e esclarecidos e, em seguida, alguém nos corta no trânsito e estamos cheios de raiva e depois nos perguntamos por que algumas das pessoas nessas histórias são violentas? O problema com a Bíblia – e é um problema – é que as pessoas nela e as pessoas que a escreveram são muito parecidos com a gente. Seres humanos reais, que se deslocam através do tempo e espaço, com visões de mundo, preconceitos e lutas, esperanças e sonhos. Nestes livros suas perspectivas são expostas para nós, vemos a sua finitude, vemos suas incertezas , vemos as suas pressuposições sobre Deus, a vida e tudo o mais.

Eles precisam de ajuda.

E nós também.

Esta biblioteca chamada Bíblia é uma história sobre essa ajuda.

É áspera, confusa e um pouco desonesta em alguns pontos mas, em seguida, em outros ela se eleva, e absolutamente joga tudo para baixo, chega até as estrelas, ela insiste que a última palavra não foi falada, que o túmulo está vazio, que todas as coisas são nossas e elas estão sendo reconciliadas, restauradas, reparadas e renovadas.

Esta história me emociona, me eleva,

me dá esperança, me ajuda a ser uma pessoa melhor.

Esse é o porque desse livro.

A seguir: Larry no Aeroporto

*Série de reflexões sobre a Bíblia, escrita e publicada originalmente em inglês, no tumblr, pelo próprio autor Rob Bell e sua equipe.

Transcrito e adaptado para português por Marcus Vinicius Epprecht com autorização do autor. Proibida a reprodução para fins comerciais ou qualquer forma de ganho sobre este texto sem a autorização expressa do autor e do tradutor. Os posts originais em inglês foram desativados pelo autor em função do lançamento desse conteúdo em livro, por enquanto somente em inglês. Revisado por Fernanda Votta Epprecht.

** n.t. Programa de Celebridades americanas

*** n.t. – literalmente vocês ainda não entendem? poderia ser traduzida como vocês são tapados?.

 

Além disso quando você se cadastrar abaixo, terá acesso a livros digitais também gratuitos.

Receba nossa correspondência com as novidades da nossa blogosfera. São muitas alternativas para todos os gostos.

Verifique essas alternativas todas conforme seu gosto. É só clicar!

Cadastre-se e curta!

Por hoje é só!

Um Excelente viver pra você!!

Marcus e Mel

MVE Produções

P.S.:

Gostou?

Compartilhe este artigo com seus amigos.

Share this Post

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*

treze + 12 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.